Coaching: Um mercado de oportunidades e de responsabilidade

Notícia

 
Coaching: Um mercado de oportunidades e de responsabilidade
11/07/2016

Não basta se formar como Coach, é necessário ter resultados a partir de habilidades que possibilitem verdadeiramente o desenvolvimento humano

O mercado cada vez mais competitivo e a necessidade das organizações e das pessoas de desenvolver uma melhor performance, têm alavancado o cenário para profissionais que desejam atuar como Coach. No entanto, é neste momento que surge um alerta segundo a coordenadora da pós-graduação do IPOG, Essential Master Coach, Dorothy Irigaray: “Não é o Coach quem dá o tom para o desenvolvimento e para a velocidade dele, mas o Coachee, ou seja, a pessoa que está sendo atendida”.

Segundo a coordenadora, com o excesso de formações disponíveis hoje, principalmente de curta duração, há o risco de muitos profissionais aprenderem apenas as ferramentas do processo, e a partir daí, já acreditarem que estão prontos para atender as pessoas. “Não se trata de quantas ferramentas eu vou ter no papel para aplicar no processo. Porque você pode conduzir um processo de coaching inteiro sem usar ferramenta nenhuma. Fazendo apenas perguntas, promovendo reflexões e identificando ações para desenvolver o aspecto em questão (a meta a ser alcançada). Mas como algumas ferramentas que vêm no papel têm um impacto grande, as pessoas ficaram acomodadas, mal-acostumadas e começaram a achar que o Coaching é isso”, explica se referindo a testes aplicados durante os atendimentos.

Qualquer um pode ser Coach?

Como a profissão de Coach ainda não é regulamentada, tanto no Brasil, como no mundo, existem vários tipos de formações, como já foi colocado. Por causa disso, houve, de certa maneira, uma banalização, já que muitos se identificam como Coaches, mesmo sem ainda estarem prontos para ajudar alguém a alcançar seus objetivos. Ou seja, muitos profissionais ainda não possuem as competências e habilidades essenciais para o desenvolvimento humano, que levam o Coachee ao autoconhecimento e a descobrir o seu potencial ao máximo.

Buscando então formar profissionais diferenciados, Dorothy defende uma preparação consistente que qualifique Coaches para atuar com profundo senso ético e competência. Na nova pós-graduação do Instituto de Pós-Graduação e Graduação (IPOG), Essential Master Coach, por exemplo, o aluno estuda ao longo de 24 módulos mensais, desde os fundamentos do Coaching – a essência deste profissional –, até as ferramentas utilizadas na prática de acordo com a personalidade do coachee e as especialidades de atuação (Life Coaching & Wellness Coaching, Executive Coaching & Coaching de Equipe, Coaching Financeiro & Coaching de Carreira). O aluno também terá a oportunidade de já concluir a formação, tendo horas de atendimento, as quais serão realizadas sob a supervisão de professores da pós-graduação.

“O mercado seleciona. Se você não é capaz de fazer um trabalho com consistência, com relevância, com sustentação, você tem o primeiro cliente, mas não tem o segundo”, alerta a coordenadora do curso. Por isso, a nova Pós-Graduação do IPOG, Essential Master Coach, tem o objetivo de formar profissionais que vão entregar resultados a partir do desenvolvimento de coachees autônomos, que alcançaram essa condição através de mudanças em níveis profundos. E que acima de tudo, não se baseiam apenas em ferramentas, mas na individualidade de cada um, na colaboração para o coachee se autoconhecer e saber tomar decisões alinhadas à sua essência. “Só assim vamos acabar com a banalização em torno da profissão que deixa alguns receosos e assim, reeducar o mercado”, Dorothy reforça.

Quer descobrir como se tornar o Coach que o mercado procura? Clique aqui.

Confira também, neste vídeo, uma bate-papo com os coordenadores na Pós-Graduação do IPOG em Essential Master Coaching.

 

Voltar

Junte-se a mais de 100.000 estudantes do IPOG agora